RELATIVISMO NOS MEIOS ESOTÉRICOS

Como superar o relativismo é a escola maternal da filosofia não me darei a esse trabalho. Mas para ilustrar o relativismo do meio esotérico-ocultista estão aí abaixo a defesa do relativismo pela Maçonaria e pela Rosacruz AMORC. E todos sabemos onde vai dar esse relativismo...

Clique para alargar





LAVAGEM CEREBRAL MARXISTA ATÉ EM LIVRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA !

NEM OS LIVROS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCAPARAM
DA DOUTRINAÇÃO MARXISTA !!!
CLIQUE PARA ALARGAR








MEC: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CRIME APROVA LIVRO PARADIDÁDICO ERÓTICO

BANDIDOS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO APROVAM LIVRO CHEIO DE PORNOGRAFIA PARA ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO!




CLIQUE PARA ALARGAR

1789: UMA REVOLUÇÃO CONTRA CRISTO



REVOLUÇÃO FRANCESA: UMA REVOLUÇÃO CONTRA CRISTO


“Em nome da Revolução levou-se a cabo na França um verdadeiro extermínio, especialmente de católicos, sobretudo no oeste e em La Vendée. No caso de La Vendeé, foi dada a ordem de eliminar as mulheres para que não pudessem trazer filhos ao mundo e mutilar os meninos para que quando maiores não se tornassem guerrilheiros. A Revolução suprimiu, sem cerimônia, o papel da Igreja na ordem social dos séculos XVIII e XIX: com o desaparecimento dos conventos e execução de milhares de sacerdotes, apesar de que, em 1789, os elementos do baixo clero tinham se unido aos Constituintes que derrubaram a antiga ordem social, desapareceram hospitais, asilos, casas de caridade, albergues, escolas. A retórica das leis humanitárias não pôde evitar que, na França, dos seus dezesseis milhões de habitantes em idade ativa, dois milhões fossem mendigos.” (CRUZ, Juan Cruz. Filosofia da História. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência “Raimundo Lúlio”, 2007, p.190)

“Contudo, no seio desta libertação pelo direito, certos paradoxos que mostrariam o lado utópico da Revolução começaram a ficar evidentes. O mais claro foi a relação entre a Revolução e a Igreja Católica. Como a Revolução era a proclamadora de liberdade, igualdade e Fraternidade, por que via na Igreja Católica o principal inimigo? A Revolução não foi simplesmente anticlerical, porém algo mais grave: foi anticristã, anticatólica. Pretendeu descristianizar o país, extirpando um dos fundamentos culturais do homem. Seguiu as pautas do Iluminismo com seu modelo de homem sem visão transcendente.”
(CRUZ, Juan Cruz. Filosofia da História. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência “Raimundo Lúlio”, 2007, p.179)

“Se, em 1789, a maioria dos franceses era católica praticante, quinze anos mais tarde, um terço dos católicos não cumpriam sequer o preceito dominical ou o pascal. A Revolução levou a cabo a descristianização maciça da França.”
(CRUZ, Juan Cruz. Filosofia da História. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência “Raimundo Lúlio”, 2007, p.179-180)

“A antiga idéia de pecado é traduzida agora em termos de exploração, desigualdade e opressão; e o modo pelo qual se sai dele não é a Redenção, mas a ‘Revolução’”. (
CRUZ, Juan Cruz. Filosofia da História. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência “Raimundo Lúlio”, 2007, p.188)

“A transformação do novo templo de Ste. Geneviève no Panteão dos homens ilustres confirmaria Paris ainda mais como a sede da religiosidade revolucionária. O Panteão foi concebido como templo no qual ‘tudo será deus, exceto o próprio Deus.’”
(SABORIT, Ignasi Terradas. Religiosidade na Revolução Francesa.Rio de Janeiro: Imago, 1989, p.153)

“Assim, faz sentido essa celebração de Rousseau, Franklin, Voltaire e Mirabeau feita pelos jacobinos em 12 de fevereiro de 1792: “Cidadãos, cidadãs, que hoje reunis neste recinto as imagens reverenciadas desses filósofos, primeiros deuses da liberdade que criaram de pólo a outro do mundo, vós que prestais a sua memória o culto e as homenagens que todo cidadão amigo da igualdade e da humanidade lhes deve, segui vosso caminho, marchai com firmeza e sob a proteção das leis e dos estandartes da liberdade; ensinai, cultivai a moral pura dos Voltaire, dos Rousseau, e assim como Franklin e Mirabeau amai com grande estima a vossa pátria, defendendo-a de todas as investidas dos déspotas: arrancai seus cetros e colocai-os não mãos da razão, a única que deve governar o universo...”
(SABORIT, Ignasi Terradas. Religiosidade na Revolução Francesa. Rio de Janeiro: Imago, 1989, p.158)

Segue um trecho da "missa" sans-cullote, verdadeira réplica da missa católica, com inversões simbólicas evidentes:

“Nota- O sumo sacerdote, o primeiro Ministro, não deve usar nenhum traje especial. Deve estar vestido de soldado, ou usar a faixa de magistrado do povo. Na medida do possível, deve ter uma voz dotada de extensão e emoção...
A sala está escura, a estátua da Liberdade se encontra sobre o altar colocado no fundo do templo. O Sumo Sacerdote (pegando o copo cheio de vinho das mãos do mestre de cerimônias, que deve se colocar atrás dele):

“Que esta santa libação seja hoje o sinal da aliança de todos os franceses. É em tua honra, ó Divindade tutelar da França, que derramamos este vinho sobre a terra, que o sangue de nossos inimigos umedeça assim a nossa terra natal. (Derrama o vinho no chão.) Que nossos prazeres se transformem em vitórias, e que a vitória seja para nós um prazer.”

O Sumo Sacerdote (no meio do altar):

Glória: “Glória seja dada, no céu e na terra, aos homens livres. Nós te glorificamos, te bendizemos, te adoramos santa liberdade, porque asseguraste ao povo francês uma felicidade imorredoura, aniquilando os animais ferozes que viviam de seu sangue, conduzindo Luís Capeto, os brissotinos, fuldenses e outros à Guillotina...”

Sumo Sacerdote: “Que a igualdade esteja entre nós.”

Ministros: “Que nos una com os mais suaves laços.”

Credo: “Creio na declaração dos direitos do homem.”

(SABORIT, Ignasi Terradas. Religiosidade na Revolução Francesa.Rio de Janeiro: Imago, 1989, p.123)

COMUNISMO, NAZISMO E MARGINALIDADE


SOCIÓLOGO DANIEL LERNER DIZ QUE 75% DOS INTEGRANTES DO PARTIDO NAZISTA E DO PARTIDO COMUNISTA RUSSO E CHINÊS ERA COMPOSTO DE FRACASSADOS E FRUSTRADOS
Fonte: CHÂTELET, François et al. História das Idéias Políticas. Jorge Zahar editor,1985.

MUITO ENGRAÇADO: MARXIMILIANO, O BONECO COMUNISTA

O CÉU SEM DEUS DOS MARXISTAS

Josep-Ignasi Saranyana


A FALSA ESPERANÇA DAS UTOPIAS


"Se a Esperança, diz PIEPER(49), é rechaçada pelo homem, sempre existe a tentação de ser vítima de utopías ideológicas, especialmente da utopia marxista. Tais esperanças humanas são formas secularizadas de esperanças teológicas do Antigo Testamento. Basta ver a teoria marxista sobre o homem novo (...). Por exemplo, o marxista ERNEST BLOCH em sua obra "Princípio esperança" fala de um mundo sem possibilidade de desilusão. Aqui a Jerusalém é uma esperança secular. Os marxistas usam imagens bíblicas derivadas de esperanças escatológicas do Antigo Testamento, mas com a diferença de que o Céu e a Terra de Bloch é um céu sem Deus. Bloch chega a dizer: 'Onde está Lênin, ali está Jerusalém'. Como se vê, se trata da corrupção completa dos termos bíblicos." (49) JOSEF PIEPER, Esperanzas y utopias, en «Palabra», 118 (1975) 16.


Fonte:

José Ignacio SARANYANA, Sobre el fín de los días, Anuario Filosófico, 1977, (10), 219 - 241. (p. 230)

A UTOPIA DE ADÃO NO PARAÍSO


LIVRO RECOMENDADO !

Juan Cruz Cruz,
Departamento de Filosofia da Universidade de Navarra

UTOPIA COMO FIGURA DA ALIENAÇÃO HISTÓRICA

O pensador utópico reserva a si o sentido do juízo final, o conhecimento absoluto do bem e do mal. Cai na armadilha que, segundo a tradição cristã, tendeu o primeiro homem com o primeiro pecado (superficialmente interpretado às vezes como um pecado de concupiscência). Diz o Aquinate: ´O primeiro homem pecou diante de tudo porque pretendeu assemelhar-se a Deus no conhecimento do bem e do mal, no sentido de que, em virtude de sua própria natureza, poderia ser capaz de determinar o que é bom e o que é mal para si mesmo na ordem da ação e quis conhecer previamente quais coisas boas e más lhe aconteceriam no futuro.’ (S. Th.,II-II,q.163,a.2.)
As utopias estritas sempre respondem ao mesmo modelo: querendo libertar o homem da heteronomia, ou seja, da Providência de um Deus pessoal, em nome da autonomia, e vendo que este processo conduz diretamente à anarquia, então incluem o indivíduo na coletividade, na qual seria governado e cuidado. A coletividade usurpa as prerrogativas do divino. A utopia rebaixa a fé completa no absoluto a uma fé completa no não absoluto. A utopia é assim, a figura própria da alienação histórica, pela qual inúmeras gerações sofreram a morte, o desaforo e o despotismo, e não qual somente tem uma “rasa” salvação terrestre a casta privilegiada dos últimos.” (CRUZ, Juan Cruz. Filosofia da História. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência Raimundo Lúlio, 2007, p. 193-194)


Papa Francisco

Fé, História, Filosofia e Literatura

“Examinai tudo; retende o que é bom.” (São Paulo Apóstolo)

"Pertence aos cristãos tudo o que os pagãos disseram de bom" (S. Agostinho)

"Non somos senón peregrinos de viaxe; a nosa patria é o ceo". (Caetán de Thiene)

"¡Dios ayuda a Santiago!"

"A Igreja está [humanamente] acabada." (D. Bernard Fellay)

About this blog

Follow by Email

Seguidores

Archivo del blog