LIVRO DE ROGER SCRUTON: AS VANTAGENS DO PESSIMISMO E O PERIGO DA FALSA ESPERANÇA


Clique para ler a contracapa

Clique para ampliar
Clique para ampliar

Clique para ampliar

REVOLUÇÃO RUSSA: OS BOLCHEVIQUES CONTRA A IGREJA


Clique para ampliar

FILOSOFIA, VERDADE E TERAPIA


SACRIFÍCIO E TRANSCENDÊNCIA


Clique para ampliar

O QUE NÓS PERDEMOS SEM RECLAMAR

Na cosmovisão medieval é universalmente ensinado que este mundo natural é apenas uma imagem e uma cópia de um padrão celeste e espiritual; que a própria existência deste mundo se baseia na realidade dos seus arquétipos celestes (Ex. 25:40 e Heb.8:5)

A ruptura renascentista começou por marcar indelevelmente as artes plásticas e, só depois, a música e a literatura. Com o fim do espírito medieval, o mundo dos arquétipos divinos perde-se no esquecimento e o olhar, antes capaz de captar a transparência metafísica do fenômeno, choca com a opacidade impenetrável das realidades imediatas.

É verdade que a beleza das grandes obras do Renascimento é inquestionável, mas não é menos certo que algo de excessivo, de mundano e até de mórbido e tortuoso se introduziu com elas face à serenidade simples e ao silêncio diáfano que presidiam à arte sublime da Idade Média.

Mesmo a arte barroca é inferior à arte medieval, e destituída dos ricos elementos simbólicos da arte do medievo. Enquanto a arte medieval é verdadeiramente sacra, a arte barroca é apenas religiosa.

Na aurora do mundo moderno, os artistas deixaram de ser intérpretes dos sinais eternos. Expropriada de toda a função noética, reduzida aos seus aspectos sensitivos e emocionais, a arte foi-se convertendo na atividade frívola e supérflua de artistas que não tinham outra preocupação senão a do estilo e que já não pretendiam comunicar nenhum sentido.

Muitas normas caíram no esquecimento a partir do Concílio de Trento. Os primeiros a violá-las foram os jesuítas que deixaram de respeitar até a orientação tradicional (Oriente/Ocidente) na construção das igrejas.

A arte como teologia de pedra, as regras da matemática sagrada, a linguagem simbólica, que remontavam aos primórdios da Igreja, fortemente presentes na tradição dos Padres começavam a cair no esquecimento. Hoje, se encontra ausente até dos meios ditos tradicionalistas.

Teria o racionalismo presente no pensamento escolástico decadente responsabilidade nisso? Tal elemento já existia em germe no próprio seio da escolástica?

A leitura do magnífico texto de Emile Mâle dá uma idéia geral do que nós perdemos, depois que a simbólica cristã, considerada fantasia de mentes medievais foi jogada no lixo sem que ninguém se queixasse. Aqui começa a crise da Igreja. Aqui ela começa a perder a guerra cultural contra o mundo moderno. Aos poucos, a cosmovisão pobre imposta pela ciência moderna penetrou em seu seio.












Clique para ampliar

ERIC VOEGELIN EM REBELIÃO CONTRA A DOENÇA DA MODERNIDADE


Clique para ampliar (esp)

SOLOVIEV: A IGREJA É, ANTES DE TUDO, UMA SOCIEDADE ESTABELECIDA SOBRE A VERDADE


Clique para ampliar

CONSEQUÊNCIA PRÁTICA DO ECLIPSE DA IDEIA DE ETERNIDADE



Clique para ampliar

SÃO TOMÁS DISTINGUE DOIS TIPOS DE AMOR


Clique para ampliar (esp)

SER-PARA-A-MORTE E SER-PARA-A-ETERNIDADE


Clique para ampliar

ANUNCIAR O EVANGELHO A QUEM PERDEU A IDEIA DA ETERNIDADE É COMO SEMEAR NA PEDRA


HOMEM MODERNO, SEM A ETERNIDADE NO CORAÇÃO E NA MENTE


Clique para ampliar (espanhol)

PLATÃO: ASSEMELHAR-SE A DEUS É ALCANÇAR A SANTIDADE, A JUSTIÇA E A SAPIÊNCIA

Platão: "assemelhar-se a Deus é alcançar a justiça, a santidade e a sabedoria"


Tábua de valores


Platão não era "comunista"


Clique para ampliar

ENIGMAS GIRATÓRIOS


ROMANCES DE FORMAÇÃO



Clique para ampliar

AS ORIGENS ASCÉTICAS DA UNIVERSIDADE MEDIEVAL



Clique para ampliar

OS PRESSUPOSTOS FUNDANTES DA CULTURA CATÓLICA



Clique para ampliar




Santo Agostinho e a cultura católica



Clique para ampliar


Papa Francisco

Fé, História, Filosofia e Literatura

“Examinai tudo; retende o que é bom.” (São Paulo Apóstolo)

"Pertence aos cristãos tudo o que os pagãos disseram de bom" (S. Agostinho)

"Non somos senón peregrinos de viaxe; a nosa patria é o ceo". (Caetán de Thiene)

"¡Dios ayuda a Santiago!"

"A Igreja está [humanamente] acabada." (D. Bernard Fellay)

About this blog

Follow by Email

Seguidores

Archivo del blog